Atuação do Farmacêutico Clínico em Ambulatório de Anticoagulação

O uso de anticoagulantes orais é necessário para prevenção e tratamento do Tromboembolismo Venoso (TEV), na Embolia Sistêmica e no Acidente Vascular Cerebral (AVC), em pacientes com próteses cardíacas, fibrilação atrial, entre outras situações clínicas. A classe de anticoagulantes orais mais utilizada compreende a dos antagonistas da vitamina K, sendo a varfarina, o medicamento mais estudado e empregado nos pacientes assistidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A monitorização adequada da anticoagulação oral, com antagonistas da vitamina K, demanda a realização e análise do exame laboratorial TP (Tempo de Protombina) e RNI (Relação Normatizada Internacional), que devem estar dentro da faixa terapêutica adequada para cada caso e a verificação da indicação de uso, ajuste da dose de manutenção, atenção às contraindicações, identificação das interações medicamentosas e com alimentos, prevenção e identificação das possíveis reações adversas, e percepção dos fatores de risco para sangramento.

No Hospital das Clínicas de Salvador/BA, a atenção aos pacientes do SUS em uso de varfarina ou femprocumona é realizada no Ambulatório de Anticoagulação por uma equipe multiprofissional, composta por um médico cardiologista, dois farmacêuticos e estudantes de Farmácia.

O profissional farmacêutico exerce papel fundamental no sucesso da terapia anticoagulante, orientando o uso adequado do medicamento, acompanhando os parâmetros de monitorização, inclusive realizando ajuste da dose em conjunto com o médico cardiologista, e prevenindo possíveis eventos trombóticos ou hemorrágicos. Além disso, realiza orientação e supervisão dos estudantes da graduação em Farmácia, durante o estágio final do curso.

Nos últimos anos, contatou-se um aumento na procura pelo atendimento especializado na unidade, portanto, a fim de melhorar a articulação da Atenção Básica com a Atenção Especializada, otimizar o acesso a tecnologias terapêuticas e viabilizar o processo de referenciamento e atendimento dos pacientes em uso de anticoagulantes orais, foi desenvolvido, em parceria com a Secretaria da Saúde da Bahia e com a Universidade Federal da Bahia, um Projeto Piloto de Telerregulação, por meio do Núcleo Telessaúde Bahia. O referido projeto está, atualmente, em processo de cadastro de pacientes.

A implantação deste Projeto de Telerregulação contribuirá para o treinamento das equipes da Atenção Básica, para que as mesmas prestem atendimento aos pacientes na sua localidade de origem, realizem um cuidado adequado e reduzam o desgaste e custo associado ao deslocamento, sendo o paciente encaminhado nas situações necessárias para o atendimento de média e alta complexidade.

 

MSc. Carla de Jesus Santos
Farmacêutica na Farmácia Ambulatorial do Complexo Hospitalar Universitário Prof. Edgard Santos

 

Deixe uma resposta